Quem somos

 

O Instituto Batista de Santa­rém teve suas portas abertas em lº de março de 1948, concretização de um sonho muito tempo acalen­tado pelos batistas do Baixo Amazonas. Foi em novembro de 1947 que, reunida a “Convenção Batista Paraense” (hoje Convenção Batista do Pará), resolveu criar esta casa de ensino em Santarém, “cuja finalidade seria contribuir para a difusão do ensino eficiente e do desenvolvimento intelectual e moral” da região.

Iniciou o seu trabalho sob a orientação técnica da professora Onésia Pereira de Barros, com treze anos de magistério laureado, na capital de nosso Estado, e com a vice-direção da professora Damáris Silva, recém-rormada pela Escola de Trabalha­doras Cristãs de Recife, Estado de Pernambuco. No boletim infor­mativo dizia: “Por defendermos o princípio da liberdade de cons­ciência, será respeitado qualquer credo religioso, filosófico ou polí­tico”.

Em 1949, sob a orientação do Sesp, foi fundado o “Clube de Saú­de” que se tornou inestimável pelos resultados que trouxe à área de educação sanitária e social dos alunos.

A matrícula inicial foi de 248 alunos e os primeiros professores foram: Damáris Silva, Almerinda Pena, Pastor Sóstenes Pereira de Barros e Onésima Barros. Logo se tornou necessário um internato que por muitos anos obrigou jovens que vinham de longe estu­dar em Santarém.

Outros professores foram chegando: em 1949, a professora Zulmira Gonzales e em 1950, a professora Maria Rosário Frei­tas, de saudosa memória. Ainda nesses primeiros passos do IBS (Instituto Batista de Santarém),  merecem destaque as professoras Carmen Franklin, Nilza Calderaro, Helena Almeida, Elienay Blair e Sebastiana Dias.

Em 1952 a “Missão Batista Equatorial” presenteia o colégio com o prédio atual, na Avenida Mendonça Furtado, local afastado do centro a ponto de dar alguma preocupação sobre se tal distância prejudicaria o número de alunos. Nada houve, porém.

Até 1956, passaram pelo Colégio Batista 2.008 alunos. 166 certificados de curso primário foram entregues durante este período. Heloísa Pessoa, Ester Cerqueira de Morais, Maria José Araújo e Terezinha Marques Marinho, foram outras professoras de então.

O curso ginasial foi autori­zado em 6 de março de 1957 e no dia 9 já as aulas foram iniciadas e sua nova diretoria ficou assim consti­tuída: Diretor: Pastor Sóstenes Pereira de Barros; Vice-Diretora: Onésima Pereira de Barros; Secretária: Dalva de Andrade Barros. Professores: Pastor Sóstenes (Português, Latim e Geografia); Professora Onésima (Matemática, História e Canto Orfeônico); Professora Dalva Barros (Francês e Dese­nho) ; Professora Zulmira Gonzalez (trabalhos manuais); Profes­sor Clementino Assis de Sousa (Educação Física).

A entidade mantedora do IBS é a Convenção Batista do Pará, mas para dinamizar as atividades, foi criada uma Junta Administrativa. A de então era assim constituída: Presidente — Joventino de Sousa Lira; Secretá­ria — Zenaide Bezerra Marinho; Tesoureiro — José Marques Mari­nho. Outros membros — Manoel Gomes Castanho, Manoel Vieira Sobrinho, Raimundo Marques Marinho, Maurício Gomes Casta­nho e Benedito Aguiar. De lá pra cá muitas Juntas Administrativas já foram formadas e desenvolve­ram eficiente trabalho de assessoria real aos diretores da Instituição. Na gestão do Pastor Sóstenes Pereira de Barros o IBS teve um notável surto de progresso. Foi quando o património se alargou, com a aquisição de terrenos, a vida espiritual da alunada foi cari­nhosamente tratada, promovendo um crescimento significativo na maneira de buscar a Presença de Deus através de Jesus Cristo. No dia lº de maio de 1984, a convite do Governo do Estado, uma equipe de professores e administradores do Instituto Batista de Santarém organiza e funda o colégio oficial que se cha­mou “Colégio Estadual “Álvaro Adolfo da Silveira”, o primeiro de Santarém. Sua primeira diretora foi: professora Onésima Pereira de Barros.

Tão grande tem sido, através dos anos, a contribuição do Insti­tuto Batista de Santarém que não se pode esconder o seu entrosamento com a vida santarena. Mui­tos de seus filhos integram a vida da região, dando de si mesmo para o progresso do Baixo Amazo­nas e com isso trazem louros e honras sobre o seu colégio.

Para dar continuidade à esta bela página de história mocoronga, chega até nós a professora missionária Margarida Lemos Gonçalves, capixaba de origem, por muitos anos diretora do colé­gio no interior de Goiás, com resi­dência no Rio de Janeiro. Rece­beu das mãos do professor Maurí­cio Gomes Castanho as chaves da escola, em sessão solene no dia 31 de março de 1987. Estava lotando o auditório com os alunos daquele turno, professores, ami­gos da instituição e elementos representativos da vida denominacional batista.

Até este ano de 2008, já passaram pela direção da escola 19 diretores sendo eles: de 1948 a 1955 Prof. Onésima Pereira de Barros; 1956 Prof. Zulmira Gonzales; de 1957 a 1965 Prof. e Pr. Sóstenes Pereira de Barros, diretor do Curso Ginasial; de 1957 a 1965 a Profª. Rute Pessoa, diretora do Curso Primário; de 1964 a 1966 a Profª Heloisa Pessoa, diretora do Curso Primário; de 1965 a 1968 a Profª Onésima Pereira de Barros como diretora geral da instituição; de 1967 a 1977 a Profª Léa Piza Moreira, como diretora do Curso Primário; no primeiro semestre de 1969 assume a direção geral da instituição o Prof. Osvaldo Silva e Silva e no segundo semestre de 1969 a Profª Onésima Pereira de Barros e continua como diretora geral até o ano de 1973; de 1974 a 1977 assume a direção da escola o Prof. Ebenezer Silveira Coelho; de 1978 a 1986 assume a direção da escola o Prof. Mauricio Gomes Castanho; de 1987 a 1989 a Profª e Missionária Margarida Lemos Gonçalves; no primeiro semestre do ano de 1990 o Pr. Inabel Araújo e no segundo semestre a Missionária Beth Smith até o ano de 1992 e em maio do mesmo ano a direção da escola para a Prof. Léa Piza Moreira que assume a direção da escola até fevereiro de 1994, quando então passa a direção para o Pr. Washington Lima Correa que conduz a direção da escola até o ano 2000; de pois que a escola passou a ter uma Cooperativa como mantenedora, a Profª Dilma Pantoja Williams assume a direção da escola de 2001 a 2005 e desde 2006 a 2014 a Profª Railena Queiroz Correa, de 2015 a 2016 a professora Edinailza Lima Pinheiro da Silva e neste ano de 2017 volta ser diretora novamente a professora Railena Qeiroz Correa.

Desde o ano de 1948, o Colégio Batista já teve 5 nomes, sendo que dois deles voltaram a ser repetido. Os nomes são: 1948 a 1956 Instituto Batista de Santarém; 1957 a 1971 Ginásio Batista de Santarém; 1972 a 1987 volta ser chamado de Instituto Batista de Santarém; 1988 a 2000 Colégio Batista Sóstenes Pereira de Barros; de 2001 até os dias atuais volta ser chamado Colégio Batista de Santarém.

Desde 1948 até 24 de janeiro de 2001, o Colégio Batista teve como entidade mantenedora a Convenção Batista do Pará. A partir daí é mantido por uma Cooperativa de Educação formada por professores e funcionários cooperados do próprio colégio que tem como objetivo formar cidadãos verdadeiros, comprometidos com valores cristãos, capacitando-os a constituírem uma sociedade mais justa e solidária, reconhecendo em tudo a soberania de Deus. Sua primeira presidente foi a professora Dilma Pantoja Williams de 2001 a 2004; de 2015 a 2008 Pr. Washington Lima Correa; 2009 a 2012 novamente Dilma Pantoja Willams; 2013 a 2016 Carlina Silva dos Santos Fialho que permanece até os dias atuais devido ter vencido a eleição para o mandato de 2017 até 2020.

No dia 19 de setembro de 2011 a Câmara Municipal faz uma Menção Honrosa ao Colégio Batista de Santarém por ter conseguido o 1º lugar no ENEM do ano de 2010 e em 2013 o Colégio Batista de Santarém volta ser homenageado pela Câmara Municipal pelo Centenário do seu patrono e fundador Pr. Sóstenes Pereira de Barros.

Hoje, a filosofia do Colégio Batisa de Santarém tem por base princípios cristãos, para alcançar o educando de maneira abrangente no ser e no ter, fundamentado no exemplo do Pedagogo por Excelência, “Jesus Cristo”, que ensinou, deu exemplo de vida, foi competente e capaz no exercício do viver diário, respeitando, amando e valorizando o outro sem distinção. Tem como visão empreender todos os nossos esforços no seguimento educacional, indo além da expectativa do cliente e como missão formar cidadãos verdadeiros, comprometidos com valores cristãos, capacitando-os a constituírem uma sociedade mais justa e solidária. No capítulo III de seu Regimento Interno, aprovado pelo Conselho Regional de Educação, os seguintes objetivos:

  • 1° promover o estimulo, o desenvolvimento progressivo e a defesa da atividade educacional e de ensino de caráter comum, relativo aos filhos dos cooperados e não cooperados;
  • 2° proporcionar uma operação e assistência técnica educacional sem qualquer objetivo de lucro;
  • 3° propiciar ao educando a formação necessária ao desenvolvimento de suas potencialidades, como elementos de auto-realização, preparação para o trabalho e para o exercício consciente de cidadania;

Art. 6° A educação básica ministrada no colégio proporcionará um saber consciente da criança, do adolescente e do jovem dentro da filosofia do colégio, que deverá ensiná-los a ler, escrever, calcular e verbalizar, bem como transmitir conhecimento do mundo físico e social, objetivando uma dimensão política respaldada na ação histórica interdisciplinar e participativa do homem no meio social.

E também tem como finalidade:

  1. pensar e repensar a educação, seu foco, finalidade e seus valores;
  2. integrares diversos espaços educacionais na sociedade, criando ambiente de participação das atitudes criativas do educando como cidadão político;.

III. dimensionar o projeto educativo presente e futuro: na criança, no adolescente e no jovem;

  1. elaborar projetos, sistemáticos, definindo metas, cronograma, propostas e recursos para o bom andamento do ensino de qualidade;
  2. orientar e interferir no âmbito pedagógico para que o aluno aprenda da melhor forma;

O Colégio Batista de Santarém, não é para a sociedade santarena somente mais um colégio, é sinônimo de tradição e qualidade de ensino, um referencial e um marco na vida daqueles que passaram.

Os Colégios Batistas estão espalhados em todo o território nacional e Santarém tem o privilégio de ter o maior Colégio Batista de todo o Estado do Pará, recebendo alunos de todos os lugares do Brasil e até do exterior.

Em 1º de março de 2018, o Colégio Batista completou 70 anos educando gerações vencedoras contribuindo desta forma com a sociedade santarena.

O Colégio Batista de Santarém é uma Instituição forte que avança e vence cada obstáculo, que acredita que fazer a Educação é gratificante missão.

Obrigado a Deus e a todas as gerações que tiveram seu caráter e personalidade formada no Colégio Batista de Santarém.